Capa » Sergipe » Dois Toques » Queda do ASA reflete declínio econômico do interior do Nordeste

Queda do ASA reflete declínio econômico do interior do Nordeste

Presidente do ASA, Nelson Filho

No fim da década passada, o ASA ganhou destaque ao conquistar vaga na Série B do Campeonato Brasileiro. Estamos falando de um período em que os rivais da capital Maceió estavam mal das pernas. CSA na Segunda Divisão do Alagoano e CRB tinha caído da B para a Série C. Nesse tempo, o Fantasma era visto pela imprensa como exemplo a ser seguido por clubes mais tradicionais do Norte-Nordeste.

O bom momento histórico do Fantasma coincidiu com um boom econômico de cidades do interior do Nordeste. A região crescia acima da média nacional e municípios como Caruaru-PE, Sobral-CE, Campina Grande-PB e Arapiraca-AL experimentaram crescimento inédito na história. É consenso hoje admitir que a cidade de Arapiraca mudou radicalmente de vinte anos para cá.

No entanto, a crise econômica que abala o Brasil chegou com força nesses minicentros emergentes do interior nordestino. E em períodos de baixa, os mercados mais novos sofrem mais.

Esse quadro acaba refletindo no futebol. Não há como negar que os públicos pífios das partidas do ASA neste ano são reflexo da diminuição da circulação de moeda corrente em Arapiraca. Além disso, as empresas que antes patrocinavam o ASA sofreram retração em suas receitas e os investimentos em futebol minguaram.

Desde 2009, quando a Série C foi remodelada e passou a ter 20 clubes, disputaram a competição sete equipes do interior do Nordeste. Icasa (Juazeiro do Norte-CE), Salgueiro (Salgueiro-PE), Campinense, Treze (os dois de Campina Grande-PB), Guarany (Sobral-CE), Baraúnas (Mossoró-RN) e o próprio ASA. Na Terceirona sobrou o Salgueiro, que já desceu para a D e voltou. O resto está na Série D ou até mesmo nem nela.

Mas o que importa para o Fantasma de Arapiraca é que a Série D já é uma realidade e terá de ser encarada a partir do ano que vem. O Alvinegro então terá que reunir forças, inclusive econômicas, para tentar voltar à Série C, que hoje é uma competição desejada porque dá um calendário anual de jogos às equipes que a disputam.

Fonte: Série C

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*